Cardiologia

Cardiologia do esporte e reabilitação cardiovascular

Exercícios para a reabilitação cardiovascular.

Os benefícios do exercício diário são imensos – desde baixar a pressão arterial elevada, ajudar a perda de peso e melhorar a saúde do coração e pulmão. Mas as pessoas que já tiveram problemas cardíacos precisam ter uma certa preocupação, pois dependendo do tipo do exercício poderia colocá-los em risco de ataque cardíaco ou provocar uma ótima melhora na reabilitação cardiovascular.

Como a cardiologia do esporte pode ajudar na reabilitação cardiovascular

Felizmente, o exercício aeróbio regular é geralmente seguro para aqueles diagnosticados com insuficiência cardíaca, dizem os especialistas – desde que seja moderado e não muito intenso.

“A atividade aeróbica diária em quantidades razoáveis ​​é a única coisa que sabemos que é realmente benéfica e pode melhorar os resultados para pacientes cardíacos”, diz o Dr. Zubin Eapen, professor de medicina da Duke University.

Saiba como o esporte pode auxiliar na reabilitação cardiovascular.

Eapen diz que muitos médicos e pacientes vêem a reabilitação cardíaca como algo que deve ser feito somente quando é realmente necessário. Mas que, o ideal é que uma vez que você terminou um programa do exercício recomendado por um doutor ou um especialista, a ideia é continuar exercitando com segurança para manter ou melhorar sua função do coração.

É importante verificar com o seu médico antes de iniciar qualquer tipo de exercício, e começar com cinco ou 10 minutos de alongamento para aquecer.

Quais tipos de exercícios fazer visando reabilitação cardiovascular?

“De um modo geral, seu objetivo é manter 25 a 30 minutos de algum tipo de atividade aeróbia de baixo nível por dia – não uma ou duas vezes por semana – todos os dias”, diz o Dr. Clyde Yancy, chefe de cardiologia-medicina na Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern.

Já movimentos repetidos, como aqueles necessários para levantar pesos pesados na musculação, não são aconselhados, porque coloca uma carga considerável sobre o coração. A seguir veja alguns exercícios que você pode fazer para ajudar na recuperação cardiovascular.

Exercícios para reabilitação cardiovascular

A atividade aeróbia número 1 para pacientes cardíacos é andar. De acordo com a American Heart Association, uma rápida caminhada fornece os mesmos benefícios para a saúde como uma corrida intensa. Uma rotina de caminhada consistente pode fortalecer os músculos do coração e reduzir os níveis de colesterol.

Entrar em uma piscina é uma ótima maneira de obter baixo impacto de exercício e o fortalecimento do seu coração e pulmões. Mesmo se você não for um nadador, pode em andar na parte rasa ou fazer atividades aeróbicas.

Pedalar de bicicleta – móvel ou estacionária – é uma ótima maneira de trabalhar o coração e os pulmões sem colocar estresse nas costas, quadris, joelhos ou tornozelos.

Exercícios para a reabilitação cardiovascular.

Com a aprovação do médico, o tênis é uma grande atividade para pacientes cardíacos. Um estudo publicado no Journal of Sports Science & Medicine descobriu que pacientes de baixo risco que tiveram ataques cardíacos descobriram que o tênis resultou em “mudanças fisiológicas que reduziram o risco cardiovascular”.

Pesquisas mostram que a prática de ioga tem benefícios para a saúde para aqueles com problemas cardiovasculares, incluindo insuficiência cardíaca. No entanto, as pessoas com pressão alta podem precisar modificar certas poses.

Cardiologia pediátrica no Brasil

Infelizmente as doenças cardíacas não atingem somente os adultos. Como vimos anteriormente, crianças podem sofrer de diversas doenças do coração, geralmente provenientes de causas específicas. E justamente por ainda não ser possível evitar esse tipo de acometimento, existe uma área da medicina especializada nesse grupo específico, chamada cardiologia pediátrica.

Do que se trata a cardiologia pediátrica?

Um cardiologista pediatra é um pediatra que recebeu um treinamento extensivo em diagnosticar e tratar problemas cardíacos das crianças. A avaliação e o tratamento podem começar com o feto, uma vez que os problemas cardíacos podem agora ser detectados antes do nascimento.

Esse tipo de médico portanto, trata doenças e anormalidades do coração e sistema circulatório em crianças.

Saiba do o que um cardiologista pediatra faz.

Quando um pediatra suspeita de um problema cardíaco, ele ou ela pode pedir a um cardiologista pediátrico para investigar mais. Causas comuns para um encaminhamento para o cardiologista pediatra incluem sopros cardíacos, dor no peito, tontura ou palpitações.

Um cardiologista pediátrico é treinado para executar e interpretar procedimentos como eletrocardiogramas, ecocardiogramas e testes de exercício. Em casos de doença cardíaca mais sérias, um cardiologista pediátrico pode realizar um cateterismo cardíaco, a fim de diagnosticar ou tratar o problema cardíaco da criança. Se a criança precisar ser hospitalizada, o cardiologista pediátrico e o cirurgião cardíaco pediátrico trabalham juntos no planejamento da cirurgia cardíaca, quando necessário. No entanto, em todos os casos o cardiologista pediátrico está lá, a cada passo do caminho.

As crianças são mais propensas a terem doenças congênitas, ou seja, doenças presentes no nascimento, e defeitos do que os adultos. E, além disso, as estatísticas são desoladoras e contam que a cada 100 crianças, uma possui algum tipo de cardiopatia. Por isso essa área é importantíssima para tratar esse grupo específico com uma necessidade tão grande.

O escopo das condições atendidas pelos Cardiologistas Pediátricos é amplo e inclui defeitos congênitos do coração, distúrbios do músculo cardíaco, distúrbios do ritmo, hipertensão e outros distúrbios sistêmicos que afetam o sistema cardiovascular.

Como anda a cardiologia pediátrica no Brasil.

Atuação e abrangência no Brasil

A especialidade já vem sendo estudada desde muito tempo e o Brasil conta com grande centros especializados exclusivamente em cardiologia pediátrica. Em diversos estados brasileiros podemos contar com centros preparados para receber esse tipo de demanda.

Até mesmo os sistemas públicos de saúde contam com locais específicos com exclusivo atendimento para a cardiologia infantil. Distribuídos nacionalmente e aptos a atender pessoas que precisam do atendimento gratuito em cardiologia pediátrica.

O HCor (Hospital do Coração) em São Paulo, por exemplo, possui uma parceria com o Ministério da Saúde Brasileiro visando melhorias no setor. Nesse caso, a intenção é investir no desenvolvimento e na expansão do conhecimento em casos de necessidade de cirurgias para doenças congênitas.

Sabemos de todos os problemas da iniciativa pública no Brasil. E quando se trata da cardiologia infantil na rede privada, de fato, não faltam centros altamente especializados no país.

Como funciona uma ressuscitação cardiopulmonar

Se o coração para de bombear sangue, este ato particularmente, é conhecido como uma parada cardíaca. A ressuscitação cardiopulmonar é uma combinação de técnicas, incluindo compressões torácicas, projetadas para bombear o coração e fazer circular o sangue para fornecer oxigênio ao cérebro. Essa técnica é um procedimento inicial até que o tratamento definitivo de um auxílio médico, possa estimular o coração a voltar ao normal e trabalhar novamente.

Como acontece um ataque cardiopulmonar?

Um ataque cardíaco ocorre quando parte do coração está desnutrido de oxigênio. Ele pode “atordoar” o coração e interromper seu ritmo e sua capacidade de bombear. Isso ocorre, porque o coração não recebe oxigênio suficiente e assim, não é capaz de continuar bombeando o sangue ao redor do corpo. Quando o sangue para de circular, o cérebro não recebe devidamente o oxigênio, essencial para seu funcionamento e assim, a pessoa rapidamente se torna inconsciente e deixa de respirar.  O termo médico para um ataque cardíaco é: infarto agudo do miocárdio (IAM).

O que é e quando fazer a ressuscitação cardiopulmonar.

Quais são suas principais causas?

A parada cardíaca pode ser resultante de muitas variáveis e as causas tendem a diferir de adultos para crianças.

  • Nos adultos, elas podem ser resultado de:
    • Doença cardíaca – a causa mais comum de parada cardíaca reversível (70%).
    • Algum trauma ou pancada muito violenta.
    • Doença respiratória.
  • Para as crianças, elas podem ser ocasionadas por:
    • Doença cardíaca (geralmente congênita)
    • Algum trauma ou pancada muito violenta.
    • Doença respiratória.

A massagem cardíaca pode salvar uma vida!

A manobra de massagem cardíaca pode ser a salvação em uma situação de primeiros socorros e aumenta muito as chances de sobrevivência da pessoa. Principalemnte se ela for iniciada logo após o coração ter parado de bater. Se nenhuma massagem for realizada, pode levar apenas três a quatro minutos para a pessoa ter morte cerebral devido a uma falta de oxigênio.

Ao realizar a massagem, você circula o sangue para que ele possa fornecer oxigênio para o corpo, cérebro e outros órgãos manterem-se em funcionamento, enquanto você espera pela a ambulância. Geralmente há bastante oxigênio ainda no sangue para manter o cérebro e os órgãos “vivos” por alguns minutos. Entretanto, sem o auxílio do coração, o sangue não circula, ao menos que alguém faça a massagem. Ela não garante que a pessoa irá sobreviver, mas fornece a essa pessoa uma grande chance, que sem ela, certamente não existiria alguma possibilidade.

Se você não tem certeza se uma pessoa está em parada cardíaca ou não, você deve iniciar o procedimento mesmo assim. Se  essa pessoa não estiver precisando da manobra, ela provavelmente responderá às suas tentativas. E fique tranquilo, pois ao realizar a massagem, não existe a possibilidade de você causar algum tipo de dano a alguém, mesmo que ela não estivesse precisando.

Entenda os passos essenciais para realizar uma massagem cardíaca

Como realizar uma manobra de ressucitação cardiopulmonar

Antes de tudo você vai precisar tomar algumas medidas antes de iniciar a massagem. São elas:

  1. Verifique o ambiente e a pessoa. Certifique-se de que o local é segura, em seguida, toque a pessoa no ombro e fale alto “Você está OK?” Para garantir que a pessoa realmente precisa de ajuda.
  2. Ligue para a emergência para obter assistência. Se for evidente que a pessoa precisa de ajuda, ligue (ou peça alguém ligar) para a emergência, em seguida, peça para providenciarem um desfibrilador (geralmente presente como dispositivo de emergência em muitos locais).
  3. Abra as vias aéreas. Com a pessoa deitada de costas, incline ligeiramente a cabeça levantando o queixo.
  4. Verifique se há respiração. Ouça cuidadosamente, por não mais de 10 segundos os sons de respiração. (Sons ofegantes ocasionais não equivalem à respiração.) Se não houver respiração, comece o procedimento.

A massagem:

  1. Empurre forte e empurre rápido. Coloque as mãos, uma em cima da outra, no meio do peito. Use o seu peso corporal para ajudá-lo a administrar compressões que devem atingir pelo menos 2 centímetros de profundidade. E devem ser feitas a uma taxa de pelo menos 100 compressões por minuto.
  2. Faça respirações boca a boca. Com a cabeça da pessoa inclinada para trás ligeiramente e o queixo levantado, feche o nariz do indivíduo e coloque a boca sobre a boca da pessoa para fechar completamente a saída de ar. Sopre na boca da pessoa para fazer o peito subir. Faça duas respirações de resgate e continue com as compressões.
  3. Continue as etapas do procedimento. E continue fazendo ciclos de compressão torácica e respirando até que a pessoa apresente sinais de vida ou até a chegada rápida de um médico responsável.